Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

One Day, One Song

Milão, uma viagem de comboio e uma (longa) conversa

Fui a Milão acompanhar os MTV Europe Music Awards 2015. Entre reportagens, concertos e correrias, há sempre oportunidade para conversas. Ir sozinho tem as suas vantagens.

departure-platform-371218_1280.jpg

24 de outubro. 10h54. Estação de Comboios do Aeroporto de Malpensa, Milão. Filas enormes para tirar bilhetes. Faltam apenas quatro minutos para o comboio partir para o centro de Milão. Atrás de mim, um rapaz impaciente - tal como eu deve querer apanhar este comboio, pensei e acertei. 

- Vais no próximo comboio?, perguntou

- Sim.

- Sabes tirar bilhete?

- Não... é a minha primeira vez.

- Posso tirar? Tiro dois, para mim e para ti, para tentarmos chegar a tempo.

- Ok, obrigado.

 

E lá me tirou o bilhete e desatou a correr. Corri também enquanto tentava tirar o dinheiro da carteira. Mas a correria foi em vão, o comboio tinha acabado de fechar as portas, o que significava ter de esperar mais de 30 minutos pelo próximo.

 

 

"What do you mean?" #tbt #milano

Uma foto publicada por Tiago David (@tiagopresley) a

Mais fotos: Instagram @tiagopresley

 

Ainda a recuperar o fôlego, começámos a falar. Aquelas coisas da treta: como te chamas, que idade tens, de onde vens, para onde vais, o que fazes da vida, é a primeira vez em Milão? e por aí fora.

 

Ele disse-me o nome, mas confesso que não percebi. Nasceu em Srinagar - capital, durante o verão, do estado de Jammu e Caxemira -, na Índia, e estuda em Zurique. Estava em Milão pela segunda vez para visitar colegas e trazia uma mochila cheia de livros.

Lá entrámos no comboio e começámos a falar sobre música, não fosse eu fazer reportagens na cerimónia dos MTV EMA.

"Como é que num mundo cheio de boas vozes há espaço para cantores como os One Direction?", reflectia, perguntando-me o que ouviam os portugueses. "O mesmo. Os artistas pop que estão nos tops americanos, britânicos ou italianos, também são os mais ouvidos em Portugal", disse-lhe. Aproveitei também a oportunidade para falar de alguns cantores e bandas portuguesas. "Como gostas de metal, ouve Moonspell. Mas os cantores mais conhecidos são fadistas, como a Mariza ou a Ana Moura", contei, tentando-lhe explicar o que era o Fado. 

 

"E há algum cantor português conhecido em todo o mundo, tipo uma Rihanna?" - perguntou. "Sim, a Nelly Furtado. Não é uma Rihanna, mas...". "Ah, conheço. Nem é a pior". (risos)

 

Da música, saltámos para o mundo das séries televisivas. Confesso, fui eu que puxei o tema - queria saber a opinião dele sobre "Segurança Nacional" e as mensagens deixadas em alguns graffitis da série. "Não vejo muitas séries, gosto apenas de ver comédias tipo 'A Teoria do Big Bang' porque são simples e dá para descontrair". "E 'Segurança Nacional', vês?", perguntei. "Não. Mas vi as mensagens deixadas por artistas de rua nas paredes e adorei. A série está repleta de preconceitos, mas não é das piores", sublinhou.

 

E a viagem lá foi passando. Chama-se Omar Wani e tem 25 anos. Estudou Hidro Ciência e Engenharia na Universidade Técnica de Dresden e no Instituto Water Education da UNESCO. Atualmente estuda no Instituto Federal de Tecnologia de Zurique, onde também trabalha. Falei-lhe do One Day, One Song e recomendou estas canções: Pink Floyd - Wish You Were Here & KONGOS - I'm Only Joking.

 

Resumindo: O melhor de uma viagem não são as fotografias que dão dezenas "gostos" no Instagram, não é o hotel, muito menos os souvenirs. O melhor é o que os sentidos captam, o que a memória guarda. O melhor é a descoberta do novo. O melhor é a saudade que fica e o desejo de voltar.

 

 

 

 

Instagram @tiagopresley